Pole, Uma Arte Camaleônica

  • Pós-escritor:
  • Categoria de correio:Artigos
  • Tempo de leitura:4 minutos de leitura
Você está vendo atualmente Pole, A Chameleonic Art

Nota editorial: Traduzimos este artigo, originalmente escrito por Nina Zamora em espanhol.


A dança do Pole tem a capacidade de se tornar muito sexy e sedutora. De fato, TODAS as formas de dança podem ser sexy, desde as mais conhecidas por serem "sexy", como a salsa, a bachata ou o idiota, até mesmo formas de dança que não se relacionam diretamente com a sensualidade, como as danças contemporâneas e clássicas. A dança é uma ferramenta para transmitir emoções e mensagens, é uma linguagem com a qual eu posso ou expressar obscenidades ou fazer poesia. 

O erotismo é apenas uma das muitas emoções que podemos transmitir através da dança.

Como qualquer outro tipo de dança, a dança pole pode ser extremamente sensual, mas da mesma forma pode ser totalmente o oposto. Para mim, uma situação irritante surge quando esta última opção é inconcebível para algumas pessoas, que sexualizam minha disciplina independentemente de como ela é retratada. É quase ofensivo simplificar demais ou reduzir tanto da complexa arte do pole ao simples fato de ser sexy ou sedutor. É uma arte que permite falar com movimento usando o pole como uma ferramenta de experimentação, e a lista de coisas que podem ser ditas com ele é interminável.

A dança Pole está diretamente relacionada com a dança erótica executada por strippers no show do bar, uma profissão que eu não desprezo ou vejo como "menos que", mas a pena é não poder sequer conceber o pole fora desse contexto. Não é para apreciar e valorizar o enorme potencial que a disciplina tem como esporte de alto nível, ou forma de expressão artística, e tudo por causa de puro preconceito e ignorância. O pole existe em cenários completamente alheios ao erotismo. Esses contextos são o esportivo e artístico. O esporte pole busca perfeição e precisão técnica, e um alto nível de dificuldade acrobática; o erotismo é um ingrediente inexistente em uma rotina esportiva do pole. O pole artístico é usado como uma ferramenta visual em espetáculos de arte, dança ou teatro. 

A única semelhança que existe entre o erotismo pole e outros gêneros do pole é a ferramenta que é utilizada - ou seja, o aparelho do pole - mas ainda mais importante é o que o diferencia: a forma como esta ferramenta é utilizada, o lugar onde é executada, para quem, com que objetivo e o que eu quero transmitir quando a executar.

Sempre haverá pessoas que, não importa como você lhes diga ou mostre, são de mente tão fechada e têm tão pouco desejo de serem informadas que é impossível para elas ver ou aceitar outras possibilidades além daquelas que conhecem dentro de seu pequeno espaço de realidade. É uma pena para essas pessoas porque ser curioso e de mente aberta o suficiente para explorar realidades diferentes das suas, ou para o que nos é ensinado desde cedo é o que faz de você uma pessoa mais evoluída, conhecedora e enriquecedora. Essas pessoas fechadas perdem muito tempo. 

Agora, o fato de o pole poder ser separado do erotismo não significa que o erotismo só possa existir separado do artístico. Ou seja, pode haver artística no erótico, desde a nudez na fotografia, pintura, até shows culturalmente reconhecidos, como o famoso show burlesco parisiense, o Moulin Rouge. De fato, nos tempos da Roma antiga, os nus feitos por pintores como Michelangelo e Leonardo Da Vinci eram vistos como pornografia, agora nós os reconhecemos como arte. O pole utilizado de forma erótica pode ser algo belamente artístico, já que o pole, como eu disse antes, é apenas uma ferramenta.

Nina Zamora

Nina é a fundadora do primeiro estúdio de fitness pole em El Salvador, Peace & Pole por Nina. Ela é uma atleta de renome internacional do pole, cuja arte tem agraciado muitos dos principais palcos de competição do mundo. Mais notavelmente, ela ficou em 4º lugar no OG Pole Fitness de 2018 no Olympia em Las Vegas.